Arquivo mensal junho 2020

Poradmin

Android agora diz motivo da ligação que você recebe no celular

Google iniciou a implementação de um novo recurso no aplicativo de ligações telefônicas em celulares Android. Trata-se do “Chamadas Verificadas”, um identificador avançado de ligações comerciais que exibe o nome, o logotipo e até o motivo do contato por parte de uma empresa.

A função opera na totalidade apenas com empresas que participam do programa e tem como objetivo reduzir o número de fraudes e até evitar que você atenda vendedores em horários indesejados, por exemplo.

O sistema não adivinha nada: a marca é que envia para os servidores da Google o motivo de querer contatar você no momento de fazer a chamada, para que o usuário seja devidamente avisado. Ela então realiza a ligação e, se as informações baterem, exibe o aviso de verificação na tela de ligação recebida — como se fosse uma conta oficial em rede social. A companhia garante que dados do usuário não são armazenados nesse processo.

O identificador inteligente será ativado por padrão no Android e ainda não foi liberado para todos os usuários. Se você já tem o recurso e deseja desativar a função, abra o app de Telefone e vá em Configurações > Identificador de chamadas e spam. Lá, desative o item “Chamadas Verificadas”.

Fonte:TecMundo

Poradmin

Antivírus da Microsoft chega ao Android

Microsoft lançou recentemente uma versão prévia do antivírus Microsoft Defender ATP (Advanced Threat Protection) para Android. A solução de segurança, que é voltada para usuários corporativos, está disponível por meio do aplicativo Portal da Empresa do Intune, gerenciador de ferramentas da companhia que pode ser baixado na Play Store.

O novo Defender ATP é a versão móvel do antivírus da Microsoft desenvolvido para empresas que trabalham usando o Windows 10. De acordo com a companhia, a edição prévia do programa conta com proteção contra ataques de phishing e conexões inseguras de aplicativos e sites.

Segundo explica a empresa, o Defender ATP consegue bloquear automaticamente links inseguros enviados por SMS, e-mail e até WhatsApp. Já o sistema anti-phishing funciona em conjunto com ferramentas do Android e notifica o usuário sempre que um site é bloqueado.

O centro de comando do Microsoft Defender também possui um filtro que permite bloquear o acesso a determinados sites. Assim, a equipe de tecnologia da informação do negócio pode montar uma lista de endereços e bloquear o acesso em dispositivos Android corporativos com a solução.

Outra função presente no antivírus é uma ferramenta que busca malwares no celular. A Microsoft ressalta que a Play Store e o Android já contam com soluções de segurança contra esse tipo de ameaça, mas o Defender ATP pode aprimorar a segurança e garantir uma camada extra de proteção para as empresas.

O antivírus da Microsoft também conta com um sistema que permite bloquear dados corporativos em dispositivos considerados arriscados. Com isso, as empresas podem proteger informações sensíveis do negócio que são compartilhadas com diversas pessoas.

“Essas funcionalidades dão poder aos negócios para garantir segurança reforçada enquanto mantém os funcionários produtivos em seus aparelhos Android”, explica a Microsoft em seu site.

Apesar de o beta do Defender ATP ser público, é importante ressaltar que o aplicativo só pode ser utilizado no Android por empresas que assinam o serviço de segurança avançada da Microsoft. O antivírus também ganhará uma versão para iOS nos próximos meses, mas uma data para o lançamento na plataforma da Apple ainda não foi definida.

Fonte:TecMundo

Poradmin

Apple lança iOS 14 com widgets ao estilo Android

Nesta segunda-feira (22), a Apple realizou sua keynote anual em evento virtual transmitido ao mundo todo, revelando as novidades da marca para este ano. No WWDC 2020, a empresa trouxe detalhes sobre o iOS 14, atualização do sistema operacional voltado às diversas versões de iPhone disponíveis no mercado – e você confere tudo aqui.

Entre as implementações anunciadas pela companhia, destacam-se novas formas de organizar a tela inicial, formatos inéditos de widgets, modo Picture in Picture, aplicativo exclusivo voltado a traduções em tempo real e mais. Veja os tópicos abordados.

App Library

Com tantos aplicativos disponíveis, organizá-los, normalmente, é um trabalho ingrato para aqueles que vão realizando downloads e deixando tudo para depois. Encontrar apps, então, acaba exigindo mais ações que o desejado – uma vez que eles ficam todos espalhados por diversas páginas.

Para solucionar esse problema, o iOS 14 vai contar com uma funcionalidade chamada App Library, que categoriza tudo automaticamente e permite esconder telas adicionais, possibilitando, por exemplo, deixar apenas duas delas com as soluções mais acessadas.

Encontrá-los, segundo a empresa, não vai ser complicado, uma vez que um campo de busca organizará todos eles em uma única lista, em ordem alfabética, assim como disponibilizará sugestões – baseadas na frequência de uso – e exibir os downloads mais recentes. Opções de zoom in e zoom out prometem um processo intuitivo.

Widgets

No iOS 14, widgets poderão ser adicionados entre aplicativos e, com tamanhos variados, exibirão mais informações – não deixando de lado, claro, a tela dedicada às soluções. Uma vez que eles podem ser ajustados, acessibilidade é uma das características ressaltadas pela Apple.

Picture in Picture

Assistir a algo enquanto realiza outras tarefas, sem necessariamente se preocupar com o incômodo da interrupção de conteúdo, será possível com o Picture in Picture. Ao abrir um vídeo, ele ficará sobreposto a qualquer tela, sempre se ajustando para não cobrir, também, outras informações.

Se o usuário arrastá-lo para o lado, para fora do display, o áudio não é interrompido – o que proporciona uma experiência ainda mais integrada. Fechá-lo, também, exige apenas uma ação.

Siri e Translate

Para a nova versão do sistema operacional, a interação com a assistente pessoal, a Siri, foi redesenhada. Quando um comando de voz for executado, não será exibida uma tela sobre todas as outras, e a ação será realizada automaticamente. Aprimorar a funcionalidade é mais que necessário, uma vez que, segundo a Apple, são realizadas cerca de 25 bilhões de requisições por mês.

Agora, a grande novidade do iOS 14 é o aplicativo Translate, que permite tradução em tempo real, seja de conteúdo escrito ou ditado, construído para conversação. O português está entre os 11 idiomas iniciais, junto a: inglês, mandarim, francês, alemão, espanhol, italiano, japonês, coreano, árabe e russo.

Traduções entre todas essas línguas serão realizadas de maneira simplificada, tornando essa ação “mais fácil do que nunca”.

Messages e Memoji

Quanto mais grupos e mais mensagens, mais complicado fica acompanhar discussões e até encontrar os contatos desejados. Por isso, a empresa da Maçã permite, com o novo sistema, destacar conversas com um “pin”, que as deixará em destaque.

Além disso, threads ajudarão o usuário a se manter atualizado com o contexto do diálogo, não importando quantas mensagens foram enviadas entre uma e outra de um mesmo tópico, trazendo “ordem para o caos”.

Memojis também não ficaram de fora das atualizações, trazendo mais possibilidades de customização, como 20 novos estilos de cabelo e até máscaras, tão presentes em nosso dia a dia. Além disso, criar stickers a partir dos avatares personalizados será outra opção intuitiva.

Maps

Ressaltando o compromisso da empresa com o incentivo à redução de emissão de carbono, o Maps contará com uma função exclusiva voltada ao uso de bicicleta. Ela indicará os melhores trajetos e elevações presentes no caminho – estando disponível, inicialmente, em poucas cidades, como Nova York, Los Angeles, São Francisco, Xangai e Pequim.

Além disso, acessibilidade também foi levada em conta, uma vez que obstáculos diversos, como escadas, serão exibidos nas buscas. Parcerias com grandes marcas trarão guias e indicações de lugares recomendados para compras, refeições e explorações diversas.

Por fim, um modo de rotas com carregadores para veículos elétricos também faz parte das novidades, assim como alertas de placas permitidas nos casos de rodízios, tudo com base nas mais avançadas medidas de privacidade e na melhor experiência de interface, segundo a Apple.

Fonte:TecMundo

Poradmin

iMac e MacBook Pro vão estrear novos chips ARM da Apple, diz analista

Apple deve anunciar nesta segunda-feira (22) a aguardada transição do uso de processadores Intel para chips ARM personalizados pela própria empresa. A revelação deve acontecer durante a conferência que marca a abertura da WWDC 2020, que será totalmente digital neste ano por causa da pandemia do novo coronavírus.

Antes da oficialização, entretanto, o influente analista Ming-chi Kuo trouxe um novo relatório com as suas previsões para o assunto. Segundo ele, o aparelho que deve estrear a mudança é um novo iMac, com bordas mais finas e tela de 24″. O lançamento da versão com o novo processador deve acontecer somente nos primeiros meses de 2021.

Um novo MacBook Pro de 13″ também deve trazer um chip ARM no final de 2020 ou início do ano que vem. Nesse caso, o visual deve ser muito parecido com o atual e deve significar que o modelo com processador Intel será descontinuado. Apesar da demora na chegada às lojas, ambos devem ser anunciados já na conferência.

A transição completa deve levar de 12 a 18 meses, segundo o analista, que ainda crava que os modelos renovados terão um desempenho melhorado entre 50% e 100% — o valor depende de quanto das unidades serão aplicadas em performance e não em outros setores, como economia de energia.

Acompanhe!

A conferência de abertura da WWDC 2020 costuma trazer novidades sobre as próximas versões dos sistemas operacionais da Apple e também novos dispositivos. O evento terá a transmissão comentada no canal do TecMundo no YouTube a partir das 14 horas (horário de Brasília). Nos vemos lá!

Fonte:TecMundo

Poradmin

Novo bug em atualização do Windows 10 causa sumiço de arquivos

Falha se dá entre usuários e empresas que fazem uso do recurso Espaços de Armazenamento

Virou tradição: novas versões do Windows 10 também significam novos bugs capazes de causar perda de arquivos. Desta vez, a Microsoft assumiu um bug na versão do sistema com numeração 2004, lançada em maio deste ano, afetando um sistema chamado de Espaços de Armazenamento.

Os Espaços de Armazenamento são uma ferramenta que permite unir múltiplas unidades de disco em “pool” de armazenamento com partições virtuais que podem manter mais de uma cópia dos mesmos arquivos. Eles estão presentes tanto no Windows convencional quanto no Windows Server.

Como nota a página de suporte da Microsoft, usuários que façam uso desse recurso podem ter problemas ao atualizar seus computadores para a versão mais recente. O sistema operacional pode começar a reconhecer as partições de disco no formato RAW, no qual o Windows não é capaz de ler os arquivos gravados. Na prática, os documentos guardados na máquina podem se tornar inacessíveis por causa disso.

A Microsoft não liberou uma atualização para corrigir o problema, mas orienta profissionais de TI a definir os Espaços de Armazenamento como somente leitura para impedir a gravação de dados nas partições, o que permitirá acessar o conteúdo nos volumes não lidos como RAW. Para isso, a Microsoft dá o seguinte passo a passo:

  1. Abrir o menu Iniciar e digitar “powershell”;
  2. Clicar com o botão direito em “Windows PowerShell” e escolher “Executar como administrador”;
  3. Se surgir uma janela de Controle de Acesso de Usuário para o Windows PowerShell, selecione “Sim”;
  4. Na janela de PowerShell, digite o seguinte comando e pressione Enter: get-virtualdisk | ? WriteCacheSize -gt 0 | get-disk | set-disk -IsReadOnly $true

A Microsoft ainda está investigando a falha e ainda não a lista o bug como um dos problemas conhecidos da versão 2004 do Windows 10, como nota o site ZDNet.

Fonte:OlharDigital

Poradmin

Dell lança novos computadores Latitude e Precision no Brasil

Os novos notebooks e desktops corporativos de alta performance da Dell foram lançados no Brasil nessa terça-feira (16). São 15 modelos no total, distribuídos entre as linhas Latitude e Precision, que trazem recursos com inteligência artificial integrada, possibilitando maior duração da bateria nos laptops e outras melhorias.

Na linha Latitude, são sete modelos com telas entre 13 e 15 polegadas, equipados com processadores Intel da 10ª geração, suporte ao WiFi 6Windows 10 Pro e design em alumínio escovado. Um dos destaques é o notebook Latitute 9510, que tem bateria com duração de 34 horas, segundo a Dell.

Configurável como um notebook 2 em 1, o Latitude 7410 também se destaca. Ele traz um painel de baixa emissão de luz azul 4K, oferecendo mais conforto visual, além de contar com sistema de reconhecimento facial biométrico para maior segurança.

Já as workstations Precision são voltadas para cargas extremas de trabalho, incluindo placas gráficas profissionais da NVIDIA, memória RAM ECC, chips Intel de última geração e telas de alta definição, características que propiciam grande processamento gráfico, análise de dados e criação em 3D, atendendo aos profissionais de diferentes áreas.

Preços

Os novos notebooks e desktops corporativos da Dell já estão à venda. Confira os preços:

  • Latitude 3410: a partir de R$ 4.999
  • Latitude 5410: a partir de R$ 7.399
  • Latitude 5310: a partir de R$ 8.999
  • Latitude 7410: a partir de R$ 10.199
  • Latitude 7310: a partir de R$ 11.999
  • Latitude 9410: a partir de R$ 17.399
  • Latitude 9510: a partir de R$ 17.999
  • Precision 3440: a partir de R$ 8.949
  • Precision 3640 Tower: a partir de R$ 9.999
  • Precision 3550: R$ 12.499
  • Precision 3551: a partir de R$14.599
  • Precision 7550: a partir de R$ 21.599
  • Precision 5550: a partir de R$ 22.899
  • Precision 7750: a partir de R$ 23.599
  • Precision 5750: a partir de R$ 26.699

Fonte:Tecmundo

Poradmin

Android 11: o que é ‘Scoped Storage’ e por que se tornou obrigatório

Google voltou atrás e resolveu tornar o Scoped Storage ou “armazenamento com escopo” um recurso obrigatório no Android 10 e versões posteriores. Sendo assim, todos os novos apps lançados para esses sistemas deverão obedecer à essa regra já a partir do dia 1º de agosto deste ano. Os apps existentes passarão a obedecer ao padrão por meio das atualizações, a partir do dia 1º de novembro.

O que é o armazenamento com escopo?

Houve uma época do Android em que os apps acessavam arquivos e pastas da mesma forma como é feito nos sistemas para desktop. Ao instalar um app, o usuário dava as permissões de acesso para as áreas externas ao sistema operacional, que é a área do armazenamento onde são salvos todos os arquivos pessoais, como fotos, músicas, vídeos e outros documentos. Nessa época, qualquer app acessava qualquer arquivo ou pasta criados por outros apps.

A partir do Android 4.4 KitKat, a Google começou a fazer restrições nesse tipo de acesso. Isso levou a companhia a implementar o Storage Access Framework ((SAF) estrutura de acesso ao armazenamento) no Android 5.1 Lollipop, que mudou a forma como os apps acessavam arquivos em pastas de terceiros.

Apesar de lento e não muito querido entre os desenvolvedores, o SAF serviu bem ao propósito para que foi criado. De qualquer forma, permaneceu opcional até os dias de hoje.

No armazenamento com escopo (ou por escopo), a Google tornou as regras de acesso mais restritivas e seguras, porém, mais simples. Agora, além da pasta restrita, que contém arquivos para o funcionamento do aplicativo (pasta de instalação), cada app possui sua pasta voltada para os arquivos que são gerados pelo usuário. Como exemplo, podemos citar um app para gravar áudio: ele precisará criar uma pasta onde os arquivos serão salvos.

Quando os apps forem executados pela primeira vez, o usuário não precisará dar acesso de leitura e gravação para as pastas de arquivos que foram criadas por eles. No entanto, cada app só terá acesso à sua própria pasta, não interferindo nas pastas de outros aplicativos, o que aumenta significativamente a segurança geral do dispositivo.

E se o app precisar acessar outras pastas?

Usando o armazenamento com escopo, se o app precisar acessar outras pastas de arquivos que não foram criadas por eles, eles terão que recorrer às APIs do SAF, como já é feito desde o Lollipop. A diferença é que, agora, o SAF será obrigatório e não mais opcional. É o caso de players de música, por exemplo, que podem solicitar acesso para ler e escrever na pasta padrão de músicas do Android.

Essa abordagem assegura a segurança do sistema, sem que apps semelhantes precisem criar pastas separadas, o que duplicaria arquivos, impactando no desempenho dos smartphones. Essas regras também certificam que apps criados para uma determinada finalidade não acessem pastas indevidas: um editor de vídeos não pode acessar uma pasta padrão do Android destinada a músicas, e vice-versa.

Recurso será padrão no Android 11

O armazenamento com escopo surgiu no Android 10, mas não era obrigatório, já que foi recebido com desânimo pelos desenvolvedores.

Mais recentemente, a Google mudou os contratos da Play Store e o recurso passará a ser imposto no Android 10, assim como já será um padrão no Android 11.

Fonte:Tecmundo

Poradmin

Android 11 impede que apps usem câmera e microfone sem você saber

O novo Android 11, que ainda está em fase Beta e prévia para desenvolvedores, tem recebido uma série de novidades. Os menus de compartilhamento foram melhorados, bem como ganharam controles rápidos, mas o principal destaque é em relação à segurança e privacidade dos usuários, que foram expandidas na nova versão novo sistema.

Ainda no Android 10, a Google já tinha aumentado as possibilidades de permissões que podem ser concedidas aos aplicativos. Assim, usuários conseguem escolher se um aplicativo pode consultar a localização o tempo todo, somente durante o uso dele ou uma única vez.

Instagram, que é um dos aplicativos mais populares do mundo, solicita essas permissões para ativar todas as suas funcionalidades:

  • Wi-Fi;
  • SMS;
  • telefone e contatos;
  • fotos, mídias, arquivos e armazenamento;
  • câmera;
  • microfone;
  • localização e outros.

No caso do Android 11, a Google expande essa opção para câmera e microfone. Assim, o usuário consegue selecionar quais aplicativos poderão acessar os componentes e como e quando fazer isso.

A medida, que vem para dar mais garantias de privacidade, também pode ser usada como arma contra malwares. Especificamente em casos de spywares, em que o usuário pode ter localização, áudio e vídeo monitorados sem que saiba, a atualização do Android promete tornar os dispositivos mais seguros.

Na prática, existem usuários que colam fita preta ou usam acessórios para cobrir a câmera e o microfone de notebooks e outros gadgets. Em alguns casos, como nos MacBooks e no iPad Pro 2020, há uma trava que impede o uso dos componentes quando os dispositivos não estão em atividade.

Fonte:Tecmundo

Poradmin

iPhone 11 apresenta ‘bug da tela verde’ após atualização do iOS

As últimas versões do iOS podem estar gerando um bug de “tela verde” nos aparelhos iPhone 1111 Pro e 11 Pro Max. De acordo com o MacRumors, donos desses aparelhos têm usado o fórum do próprio site e também do Reddit, para reportar que o problema tem acontecido desde a versão 13.4.1 do iOS.

Não está muito claro como o bug acontece, mas parece que a tela do dispositivo mostra uma cor esverdeada logo após o usuário desbloquear a tela. O bug ainda poderia ocorrer em três situações: com o dark mode ou o night shift ativado, ou também quando o aparelho está configurado com o brilho da tela no mínimo.

A princípio, achava-se que o bug só estava afetando a série 11 do iPhone, em conjunto com o iOS nas versões 13.4.1, 13.5 e 13.5.1. Contudo, alguns usuários do iPhone X também reclamaram do mesmo problema, o que nos faz supor que o problema tenha relação com a tela OLED (apenas uma suposição).

Um usuário postou que o bug acontece em 25% das vezes que ele desbloqueia a tela de seu iPhone 11 Pro: a tela fica esverdeada por uns três segundos e depois volta ao normal. Alguns usuários conseguiram resolver o problema reiniciando seus telefones, mas essa solução não funcionou com todo mundo.

Algo que também não ficou claro, é se o problema teria relação somente com software, ou se o hardware teria alguma influência.

No momento, o iOS 13.5.5 está em fase de testes e deve ser liberado para os usuários em breve. Ainda assim, não sabemos se a Apple está ciente desse bug e, portanto, não podemos afirmar que ele será corrigido com a próxima atualização do sistema.

Fonte:Tecmundo

Poradmin

Apple está prestes a trocar Intel por ‘chips de celular’ nos Macs

Apple finalmente vai anunciar a substituição de processadores da Intel por chips próprios feitos com base em tecnologia licenciada pela ARM, comumente usada em iPhones , iPads e smartphones de outras marcas. A revelação, segundo “fontes ligadas ao assunto” consultadas pela Bloomberg, deve acontecer ainda no fim deste mês.

O palco mais provável é a WWDC 2020, conferência anual da Maçã para desenvolvedores, que será totalmente digital neste ano por causa da pandemia do novo coronavírus. O evento começa em 22 de junho e deve trazer novidades também sobre os sistemas operacionais da companhia.

O primeiro Mac com processador baseado em ARM chegaria apenas em 2021, tendo o macOS ainda como o sistema operacional e uma base no A14, chip utilizado na próxima geração do iPhone. Ao menos três variações estariam em desenvolvimento ao mesmo tempo.

Parceria histórica

O rumor já data de 2018, mas foi novamente citado em fevereiro do ano passado, reforçado meses depois com a contratação de um projetista da ARM. A mudança faz parte da estratégia da empresa de ter um controle maior sobre os componentes, para não depender de compatibilidade e desempenho de terceiros.

A substituição seria uma vontade da companhia e também o resultado de testes internos, que mostram um desempenho melhorado e mais eficiência em consumo de energia em relação aos processadores da Intel. Apple e Intel são parceiras desde 2005, quando a companhia abandonou a linha de chips PowerPC.

Fonte:Tecmundo